PALESTRANTES


Aaron Coutts

Professor Ilustre de Esportes e Ciência do Exercício na Universidade de Tecnologia de Sidney (UTS)

Professor de Ciências do Esporte e do exercício, Aaron leciona nas áreas de Fisiologia do Exercício Aplicada, Prescrição de Exercícios, Design de Pesquisa e Estatística. Sua pesquisa está focada em desenvolver métodos baseados em evidências para melhorar o desempenho e a saúde dos atletas. O acadêmico também é consultor em ciências esportivas para vários clubes de futebol profissional de alto nível e organizações esportivas. Diretor de Exercício e Ciência do Esporte da Austrália (ESSA) e membro do Conselho Consultivo do Nike Sport Reserach Laboratory, Aaron publicou mais de 150 artigos científicos e foi palestrante convidado em diversas conferências sobre ciência do esporte. Ele é editor associado do International Journal of Sports Physiology and Performance, membro do conselho editorial do Journal of Science and Medicine in Sport e cientista esportivo credenciado com a ESSA.


Antonio Carlos Gomes

Consultor Pedagógico da Academia Brasileira de Treinadores do IOB/COB.

Doutor em Ciência do Treinamento Desportivo da Russia pela Universidade Nacional de Cultura Física, Esporte e Turismo, Gomes também é autor de centenas de livros e artigos científicos na área de Ciências do Esporte. Ministrou mais de 1.200 palestras e cursos no Brasil e no Exterior. É docente em diversos cursos de pós-graduação em Esporte de Alto Rendimento. Atualmente é presidente da Sociedade Brasileira de Treinadores do Esporte e Consultor Pedagógico do Instituto Olímpico Brasileiro do COB.


Bernardo Rezende “Bernardinho”

Treinador de Alto Rendimento - 7 Medalhas Olímpicas

Sucesso dentro e fora das quadras, o ex-treinador da seleção brasileira é considerado um dos maiores campeões da história do voleibol com mais de trinta títulos em mais de 20 anos de carreira dirigindo as seleções brasileiras feminina e masculina. Como atleta, entre 1979 e 1986, defendeu diversos clubes do Rio de Janeiro e a Seleção Brasileira, onde integrou a histórica Geração de Prata, que conquistou a primeira medalha olímpica da modalidade, em Los Angeles 84, além de diversos outros títulos. Em 1994, foi convidado para comandar a Seleção Brasileira feminina, onde ficou até 2000 e conquistou as medalhas de bronze olímpicas em Atlanta 96 e Sydney 2000. A partir de 2001, iniciou a mais vitoriosa era do voleibol brasileiro. À frente da Seleção Brasileira masculina, Bernardinho enfileirou pódios e elevou a modalidade a outro patamar. No total, somou mais de 30 conquistas à frente da equipe, transformando o Brasil na grande potência mundial do vôlei. Entre as maiores conquistas estão dois ouros olímpicos (Atenas 2004 e Rio 2016), duas pratas (Pequim 2008 e Londres 2012), três títulos mundiais (2002, 2006 e 2010), além de oito Ligas Mundiais e duas Copas do Mundo.

 


Carlos Alberto Cavalheiro

Coordenador Técnico-científico no Laboratório Olímpico, Responsável pela Area de Análise de Desempenho e Atletismo no Comitê Olímpico do Brasil (COB)

Mestre em Educação Física na área de Biomecânica com especialização em Atletismo e graduação em Economia, Administração e Pedagogia. Atualmente é doutorando em Fisiologia na França. Treinador Chefe em Atletismo pela IAAF nível V pela Universidade de Loughborough, na Inglaterra, Cavalheiro participou como treinador de velocidade, fundo e maratona em sete Jogos Olímpicos. Como treinador, obteve duas medalhas olímpicas com Robson Caetano da Silva. E mais dois recordes mundiais: 300 m em recinto fechado com Robson Caetano da Silva e em maratona com Ronaldo da Costa. Somou também 17 medalhas em Campeonatos Mundiais ao longo de 40 anos como treinador e manager de seleções de diversos países como Qatar, Equador, Uruguai e na seleção das Américas.

 


Chelsea Warr

Diretora de Performance da Agência de Esportes do Reino Unido (UK Sport)

Chelsea chegou à UK Sport em 2005 e liderou a transformação da abordagem do sistema de Alto Rendimento da Grã-Bretanha para identificação e desenvolvimento de talentos. Isso levou à descoberta de medalhistas olímpicos, como Helen Glover (remadora bicampeã olímpica) e Lizzy Yarnold (esquiadora bicampeã olímpica). Foi promovida a Vice-diretora de Performance em 2013 e, em seguida, Diretora de Performance em outubro de 2016, conduzindo a Grã-Bretanha ao sucesso histórico no Rio 2016, em que se tornaram o primeiro país a melhorar o desempenho depois de ser sede de uma edição dos Jogos Olímpicos.


Christopher O’Brien

Vice-Diretor de Performance do Instituto Australiano de Esportes (AIS)

Treinador olímpico de remo mais bem-sucedido da Austrália, Chris O´Brien liderou a equipe de remo da Austrália para uma medalha de ouro e duas de prata nas Olimpíadas do Rio 2016. Também treinou outros atletas de remo para duas medalhas de ouro e duas de prata em quatro edições de Jogos Olímpicos anteriores. Chris é vice-diretor do Australian Institute of Sports (AIS), onde trabalha com uma variedade de esportes para estabelecer planos e execução de seus programas em busca dos melhores resultados Olímpicos e Paralímpicos. Diariamente é desafiado a adaptar seus conhecimentos e várias habilidades aos programas de elite em uma ampla variedade de esportes, incluindo atletismo, tiro esportivo, ciclismo, vôlei, skate e surfe. O´Brien é graduado em Administração e possui pós-graduação em Educação e Ciência do Esporte. Essas conquistas acadêmicas, juntamente com suas conquistas esportivas, ajudam a moldar seu pensamento em torno da entrega de resultados esportivos, liderança e trabalho em equipe. 


Jorge Bichara

Diretor de Esportes do Comitê Olímpico do Brasil (COB)
 
Bichara chegou ao COB em 2005 e dois anos depois começou a trabalhar no Alto Rendimento. Como Gerente de Projetos Especiais e, depois, como Gerente Geral de Alto Rendimento, foi responsável por coordenar, junto às Confederações, o planejamento e os investimentos especiais na preparação dos atletas brasileiros para Londres 2012 e para a Rio 2016, culminando no melhor desempenho do país na história dos Jogos, com recorde no número total de pódios, 19, e de ouros, 07, com 12 modalidades diferentes conquistando medalhas olímpicas. É formado em Educação Física pela UFRJ e possui MBA em Administração Esportiva pela FGV. Atualmente, é Diretor de Esportes do COB.

 


Maurits Hendriks

Diretor de Alta Performance do Comitê Olímpico da Holanda (NOC*NSF)

Diretor técnico do departamento de "Top Sports" do Comitê Olímpico da Holanda, sendo responsável tanto pelo desenvolvimento da política esportiva superior quanto pelo desenvolvimento de desempenho dos principais atletas holandeses. Foi chefe da missão holandesa em Sochi 2014, onde a Holanda dobrou o recorde de medalhas (24) e acabou na quinta colocação no quadro de medalhas; e na Rio 2016, em que o país conquistou 19 medalhas, sendo oito de ouro, e o 11º lugar.


Michael Vesper

Consultor Sênior do Comitê Olímpico Internacional (COI)

Vesper juntou-se à Comitê Olímpico da Alemanha (DOSB) em 2006 como Diretor Geral. Em 2014, foi eleito presidente do Conselho Executivo, cargo que ocupou até 2017. Na DOSB, ajudou a Alemanha a conquistar 127 medalhas nos Jogos de Verão (Pequim, Londres e Rio de Janeiro) e 78 nos Jogos de Inverno. Em 2016, os germânicos faturaram 17 medalhas de ouro, melhor desempenho desde Atlanta 96, conquistando a 5ª colocação no quadro de medalhas. Nos Jogos de Inverno, o desempenho foi ainda melhor, com a 1ª colocação no quadro de medalhas em Turim 2006 e 2º em Vancouver 2010. Atualmente, é Consultor Sênior do Comitê Olímpico Internacional (COI).


Renato Rocha

Professor e Pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Pós-doutor em Tecnologias Semânticas para Recuperação de Informação pela University of South Wales (UK), e doutor em Ciência da Informação pela UFMG. Atua como professor e pesquisador da Escola de Matemática Aplicada (EMAp) da Fundação Getúlio Vargas e como professor colaborador da Escola de Ciência da Informação da UFMG. É atualmente pesquisador visitante da Academia Austríaca de Ciências, Visiting Fellow da University of South Wales e Pesquisador Adjunto Sênior da Universidade de Colúmbia. 

No COB, trabalha no projeto de gestão de dados e de conhecimento junto ao Laboratório Olímpico.

 


Robert Bowman

Treinador Principal de Natação da Arizona State University, Treinador em 4 Jogos Olímpicos, e Treinador Pessoal de Michael Phelps

Maestro por trás da ilustre carreira de Michael Phelps, é o treinador principal dos programas de natação masculino e feminino da Arizona State University. Quatro vezes membro da equipe olímpica dos EUA, incluindo o treinador principal da equipe Masculina no Rio 2016, Bowman é cinco vezes treinador do ano na “American Swimming Coaches Association” (ASCA), seis vezes eleito o melhor treinador de natação dos EUA e quatro vezes ganhador do prêmio “USA Swimming Foundation Golden Goggle” para o treinador do ano. Desde 2016 faz parte do Hall da Fama da Natação Mundial e em 2010 entrou para o Hall da Fama da ASCA. Bowman orientou seus nadadores a 46 medalhas olímpicas, incluindo 23 medalhas individuais e 14 medalhas individuais de ouro, além de 43 Recordes Mundiais ao longo de sua ilustre carreira. Um professor dentro e fora das piscinas, Bowman é um palestrante inspirador e motivacional altamente procurado, focado em tópicos como estabelecimento de metas, resistência mental, características dos campeões e alcançar a excelência. Ele publicou seu primeiro livro - The Golden Rules: 10 Steps to World-Class Excellence in Your Life and Work - com Charles Butler e St. Martin’s Press, na primavera de 2016.


Roberto Nahon

Coordenador de Ações Médicas do Comitê Olímpico do Brasil (COB)

Graduado em Medicina pela Universidade Federal Fluminense, Roberto Nahon fez especialização em Medicina do Exercício e do Esporte, Residência Médica em Ortopedia e Traumatologia. É mestre pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em Clínica Médica, doutorando em Neurociências pela UFRJ. Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia (SBOT) e da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME), Nahon também integra o Comitê Médico da PATCO e a Comissão de Remo Paralímpico da Federação Internacional de Remo (FISA). Atualmente é coordenador de Ações Médicas do Comitê Olímpico do Brasil (COB), classificador Paralímpico Internacional das Confederação Internacional de Remo e Triathlon nas especialidades médico e técnico, faz parte do corpo editorial da Revista Arquivos em Movimento, da UFRJ e atua em temas como esporte, ortopedia, classificação paralímpica, fisiologia e engenharia biomédica.